Antracnose também ocorre em flores

A antracnose é uma das doenças de maior importância para as plantas cultivadas. Ela provoca prejuízos de bilhões de dólares anualmente, por perdas em grandes lavouras (soja, tomate, pimentão, berinjela, pimentas, morango), pomares (manga, laranja, goiaba, abacate, cajú, uva, banana, mamão, maracujá, nectarina, maçã), florestas (carvalhos, cornos, tuias, nogueiras, amendoeira) e viveiros de plantas ornamentais. Ela é causada principalmente por fungos do gênero Colletotrichum, com destaque para a espécie Colletotrichum gloeosporioides que causa a doença em diversas espécies de plantas.

Essa doença causa lesões (cancros e necroses) em ambas as faces das folhas, nos caules, ramos e frutos, deixando feridas arredondadas.

O aparecimento da antracnose se dá em condições ambientais favoráveis, temperaturas entre 20° e 30° Celsius, e alta umidade ambiental. Plantas fracas, mal enraizadas ou mal nutridas, com carências nutricionais, principalmente de potássio e cálcio, são mais suscetíveis.

Os métodos de controle da antracnose consistem na eliminação de restos culturais infectados, evitar o acumulo de água na planta, plantio de mudas sadias e controle químico preventivo, por meio de pulverizações com fungicidas à base de oxicloreto de cobre.

Levantamentos realizados recentemente possibilitaram a seleção de clones dotados de níveis promissores de resistência genética, presumindo-se, assim, a exploração futura desta característica como medida de controle.

Referências:

http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/caju/arvore/CONT000fielsfi902wyiv80z4s473ewtp564.html
http://www.jardineiro.net/pragas/antracnose.html
https://www.agrolink.com.br/culturas/problema/antracnose_1764.html 

Gostaria de receber maiores informações ou soluções para a antracnose? Entre em contato conosco agora mesmo!

Campos marcados com * são obrigatórios